quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Ano novo...


 Meu ano ainda está passando e nunca o gerúndia teve tanto significado. Estou na ponte. A ponte é um espaço transitório, nem lá nem cá. Na ponte, assim, de lado, olhando para o rio, quem passa não sabe se está indo ou vindo, direita ou esquerda. Posso mergulhar? O meio da vida, sempre, a mudança. Passam os móveis, as cuecas, os fios de telefone, mas você fica ali, sem saber o que é, para onde ia. Não tem jeito, ninguém te carrega, ou você vai, ou fica. Eu já mudei muito depois que casei, pelas minhas contas uma mudança para cada ano de casamento. 5. Mas essa é a mais difícil de todas, icônica, um grande ritual de passagem. Para vida adulta? Maturidade? A ponte não vai desabar, cair dentro do rio. Não tem jeito, os passos cambaleantes têm que aderir melhor ao solo. E do outro lado há tudo o que estava deste, cômodas, copos, mestrado, mas diferente, o gosto, o cheiro, a posição. Há momentos no mapa da vida que você sabe que deveria marcar com alfinete a localização, são momentos que não há como passar incólume. O de hoje eu registro aqui. Neste mundo virtual, o único porto que não muda de endereço, que não é afetado por tsunaminies, a virtualidade nos une, faz estarmos sempre por aí, mais perto, mesmo sem pele. Essa paixão solitária grupal. Bem, voltarei às caixas, mas em breve nos cruzamos, aqui, ali. Não me espere, mas não me deixe. Até. Saudades. (Ah, não se preocupe, na travessia eu tenho mãos bem reais para segurar).

6 comentários:

Laura Fuentes disse...

Mudanças sempre geram angústia, receio, medo, sentimentos poucas vezes tão bem retratados como nese seu texto que nos carrega nessa passagem da ponte.

Carlos Andrade disse...

Mudar significa encarar novos desafios. Sempre haverá travessias. O mais importante e quem atravessa conosco e qual e a qualidade da embarcação. Se houver amor, a travessia e suave e colorida, de houver Ana Luisa ela será encantada. Paz e sucesso.

Carlos Andrade disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno Cobbi disse...

Pode passar. Você não vai cair. E se cair a gente vai te pegar, pode ficar tranquilo. :)

Tiago Araújo disse...

olha bicho, depois de ter te acompanhado nessas mudanças (que considero as maiores de sua vida, já que estive presente desde então rsrs) rola até um tipo de afetividade braçal com a situação rsrs (afinal, minha memória física ainda é muito viva, por conta de uma pequena hérnia de disco adquirida em suas empreitadas imobiliárias rs). e é como o cobbi disse mesmo: se cair, tem quem vá te buscar... (aliás, te buscar não: buscar vc, analu, ester...)

Claudio Brites disse...

Meus caros, amo vocês. Obrigado pelas palavras, que sei, não são só palavras, intenções, estão impregnadas de realidade e vontade.