sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A volta de quem sempre esteve

Boom, boom, boom! Destravei, onlainiei. Por falta de conexão agora sou Dial-up, Adsl, 3G, extra-corpóreo. Batizando o mundo com a possibilidade eu venho dizer que não me arrependo de ter sumido. Foi bom, carregar, retornar ao cu do que importa. E voltar, e não voltar. Com o inimigo compreendido, mas não vencido, porque sem uma boa briga as coisas perdem a cor, mas não briga de soco, o soco acaba no contato com a pele, não, a peleja se dá nas idéias, nos sentimentos que nascem dentro da gente e Boom, boom! Porque o carro que vai bater em você já bateu, a sua doença terminal já aconteceu, seu feliz final já se repetiu infinitas vezes nos ouvidos do mundo, no eco das coisas que acontecem o tempo todo ao mesmo tempo. Então pare de choramingar, é pra se borrar, se borre, mas não fique aí reclamando, ou reclame, mas com seriedade, com verdade, com coragem de mudar. Eu sei, sou santo de casa, o mestrado não está acabado, mas não está esquecido, a conta tem que ser paga, os quilos perdidos, os amigos visitados, a calha instalada, tudo isso será, está nas cartas. E tudo pode acontecer, mesmo já tendo acontecido, porque naquela bifurcação sempre tem uma roda da fortuna de ponta cabeça. E é nela que você tem que se segurar e ver onde vai dar, mesmo já tendo dado e se não entender, medite, sentado, em pé, limpando o vidro da sala. Medite e deixe o rio correr por dentro de você, vire água. Saudades, meu caros, saudade de tocar a pele de vocês, de beijar os rostos, de sentir o cheiro de fumaça dos carros. Estou por aqui, mesmo assim, meio acostumado com o off, ainda, mas estou. Gritem, não esperem, quem sabe nos lambemos dia desses. Benvindos ao ano do começo, do recomeço, da retomada, da invenção. Boom, boom, kaboom!

3 comentários:

Kizzy Ysatis disse...

MAKTUB!

Nelson de Oliveira disse...

Retornar ao cu do que importa é o que realmente importa. Vejo você no coquetel do Portal Fahrenheit, na biblioteca Viriato Corrêa? Em respeito à magnífica obra de Ray Bradbury, no final do evento vamos tacar fogo nos livros. Será o primeiro coquetel (molotov) da FC brasileira.

Claudio Brites disse...

Kizzy, está lá.

Nelson, meu caro, eu levo a vodka!