terça-feira, 23 de setembro de 2008

só hoje.

(Quantos erros de português eu cometo escrevendo aqui, direto? Sem passar pelo corretor do editor de texto? Vamos ver, vou postar e quem perceber os erros pode comentar.)
Hoje não vou falar de eventos, de coisas que andei fazendo, vou escrever sobre o que não deveria: a minha falta de vontade. Afinal, quem assume que não sente mais vontade? Mesmo? Que não quer mais saber, que tudo meio que ficou monocromático. Acordar, escovar, trabalhar... E não quero esse papo arrastado de corrente que tem gente pior do que eu, ao menos hoje, nenhum corte dói mais do que essa pelinha no meu mindinho. No vulto de um monte de coisas ao mesmo fôlego eu me perco procurando o botão do pause, ao menos a câmera lenta e nada e já fui atropelado por meus próprios pés. Não estou falando de falta de amor, a coisa aqui é a ausência de tesão. Casamento em bodas de prata com a existência. Todo mundo já passou por essa. Reprise de filme ruim.
t+

Um comentário:

Nelson de Oliveira disse...

Não fala em atropelamento, não, porque minha sogra acabou de ser atropelada por uma moto, fraturou o fêmur e o joelho (ou algo assim) e está numa salona com outros trinta velhinhos de fêmur e joelho fraturados. Cena digna do teatro do absurdo. Passei lá mas voltei pra vida rapidinho.