terça-feira, 1 de julho de 2008

De empregos e morcegos e salada

Um dia bom esse. Dia de esclarecimentos e crescimento. Muito bom saber que, pouco, ou sem concordar, se conhece o terreno onde o pé desliza. Dia que fomos mais a frente, não terminou igual, não foi mais um sol poente. Bom. Nada de olhar para baixo e agradecer o chão que se perca o piso se o importante for o riso e suspiro de emoção. Eu não sei quando paro está vontade de ser mais vivo, talvez um dia ela se perca em copos de incerteza e responsabilidade, mas hoje foi o que deu vontade e fico bem por isso e agradeço que o mundo não vale nada e eu sei disso. Hoje foi assim, um sentido meio Poliana para uma carga cheia de gana em mudar em não parar, mas que se perdeu na rede das letras pequenas do mundo edital e aí vemos que o capital é o humano e os seres-supramos que nos confundimos e deixamos chamar de amigos e misturados estamos e contente nos fazemos. Mas chega de hermetismo e vamos ao heroísmo:
Batmam com trailer novo. Que coisa de louco, né? E Cariello logo estará lapidando A Tríade. Sexta-feira o mestre pegará a pedra bruta pra dar o brilho e na barba e bigode mandarmos para o céu! E amém. E falando em Cariello, seu romance, Tueris , é uma coisa louca, formosura para quem gosta de perder o tino num enredo sem pé e com muitas cabeças.
Sobre emprego: há vagas: A ONG Instituto Mensageiros está contratando diversos profissionais, experientes, o suficiente, para início urgente: pedagogos, assistentes sociais, educadores todos e psicólogos. Quem quiser é só mandar currículo, logo logo logo, para instituto@institutomensageiros.org.br. Lugar bom de trabalhar, dá gosto de suar. Divulguem e a coisa vai assim até setembro, mas por esses dia é mais urgente, pra ontem.
E amanhã começa a FLIP e eu suspiro fundo, bem e lembro da pousada do português, para esse ano eu só queria mesmo era um chego na Ana Maria Machado, João Gilberto Noll e Neil Gaiman, tudo lá pra gente ver e respirar o mesmo ar condicionado, o difícil é respirar porque ver dá, de longe: trasmissão ao vivo pela internet ou no Youtube com canal exclusivo. Coisa de louco, mas num dá para experimentar os mariscos e o pastel da praça.
Não pude ir no lançamento da APL de livro de sonetos dum imortal que já morreu, mas outro bem vivo está por lá de cartola e tudo e acho que logo nos diz como foi.
E foi isso. E essa coisa de blog vicia mesmo. E começo logo outro, ligado a este: claudiobrites.blogspot.com, textos todos de 15 em 15 luas (no mínimo) para purgar um pouco essa necessidade de literar, que vai vasando pelos cantos e até na hora de assunto de trabalho tem metáfora que escapa nos relatórios oficiais. E antes que perca o soldo por conta de uma rima pobre vou publicando no novo blog crônicas e contos e sem mais o quê, para deixar aqui a estes ditos meio dizem nada, vagos, recados, esta salada.
E nada de salário que aumenta e gesso que tirem, mas até que a coisa é bacana e sorrimos antes de dizer bejim bai bai.

3 comentários:

Anônimo disse...

Poliana. Taí um livro que quis ler desde a infância mas ainda não. Não chegou a vez. Ai ai, a FLIP (suspiros) um dia, um dia.

O lançamento do imortal morto foi bacana, o livro é lindo e os sonetos são o que o Deus Baygon pensou quando criou a palavra "sublime", então furou a orelha dos escritores e no brinco das idéias melou com a língua mais uma palavrinha.

Alguns me olharam feio outros curiosos. O artista me olhou com admiração e triunfo, tudo estava na chatisse rotineira quando ele me divisou num alivio a lançar sorriso, nos comprimentamos com um olhar, um sorriso e ele não foi embora sem me beliscar o sobretudo e dizer: "você está bonito", foi como quem diz: "não ligue para eles, você não é um alienígena". "Obrigado senhor Ignácio", respondi.

beijos do cara da cartola

Anônimo disse...

PARABÉNS PELA FILHONA!

KIZZY YSATIS

Claudio Brites disse...

Ignácio!?